Curitiba, 14 de dezembro de 2017

Salto

HISTÓRICO


O que é o Salto?

Regida pela FEI – Federação Equestre Internacional – a modalidade Salto consiste basicamente numa prova em que o conjunto (cavalo/cavaleiro) percorre um percurso entre 8 a 12 obstáculos diferentes e de variados graus de dificuldade, variando de 0.80 metro (em provas de Escolinhas de Equitação no Brasil) até 1.60 metro (em Grandes Prêmios, Jogos Olímpicos e Mundiais). No Brasil é a modalidade do “hipismo clássico” com maior número de praticantes.

Origem

Os ingleses sempre gostaram de passeios, corridas a cavalo em campo aberto e a famosa caça à raposa. Na caça à raposa os cavaleiros eram acompanhados por cães, e perseguiam e capturavam a caça em campos abertos onde transpunham obstáculos naturais que surgiam em seu caminho.

Na segunda metade do século XIX eles resolveram criar um tipo de prova que reproduzisse as caçadas, mas que fossem realizadas em um recinto fechado e menor que os campos abertos da Inglaterra. Então foram criados obstáculos que reproduziam aqueles encontrados durante as caçadas. Aí se originaram as provas de salto que hoje são realizadas em pistas abertas ou pistas cobertas. Com o passar do tempo o esporte foi evoluindo, as regras se aperfeiçoando e criadas categorias para cavaleiros e amazonas conforme sua idade e grau de preparo técnico.

O salto tem como objetivo desenvolver a musculatura, a flexibilidade e a técnica para transpor obstáculos, com coragem, confiança, agilidade e velocidade em perfeita harmonia e total submissão ao cavaleiro.

Inicialmente os cavaleiros saltavam com o corpo na vertical e para traz tendo como ponto de equilíbrio a boca do cavalo através das rédeas e as pernas. No final do Século XIX o capitão italiano Frederico Caprilli inovou a técnica de saltar, deixando a cabeça e o pescoço do cavalo livres, procurando não interferir no equilíbrio natural do cavalo durante a trajetória do salto. Mudou a posição do cavaleiro na sela, o cavaleiro com os estribos mais curtos, o corpo levemente inclinado para frente e seguindo, durante a trajetória do salto, a mesma direção do corpo do cavalo liberando seu lombo.

O Salto no Brasil

Pioneiro entre os esportes hípicos a serem praticados no País, o Salto teve sua primeira competição em abril de 1641 quando da realização do “Torneio de Cavalaria” em Maurícea, hoje a cidade de Recife, Pernambuco.

Depois desta iniciativa, passaram-se 222 anos até o início da oficialização dos esportes equestres clássicos no Brasil que se deu em 1863 quando do nascimento da Escola de Equitação de São Cristóvão, no Rio de Janeiro (RJ) em uma iniciativa do capitão do exército, Luiz Jacomé de Abreu de Souza.

Praticado pelas elites do eixo Rio-São Paulo, o esporte ganhou novo impulso com a criação, no Rio de Janeiro, da Federação Brasileira de Hipismo em 1935, entidade que inspirou a criação da Confederação Brasileira de Hipismo (CBH) no final de 1941.

A primeira participação de cavaleiros brasileiros no exterior foi em 1942 no Chile. Um salto maior para o esporte foi dado em 1948 quando o Brasil mandou uma equipe para as Olimpíadas de Londres, Inglaterra.

Em 1950 a CBH organizou o primeiro Concurso Hípico Internacional no Rio de Janeiro.

Nas décadas seguintes o Salto cresceu em número de praticantes, surgiram centenas de clubes e escolinhas de hipismo se espalham por todas as regiões do País. Atualmente, a CBH congrega 20 federações estaduais além da Comissão de Desportos do Exército (CDE) localizada na Vila Militar no bairro Deodoro, no Rio de Janeiro (RJ), palco das provas dos Jogos Panamericanos de 2008 e também das olimpíadas de 2016.